15 Set 2020

Transformação digital vai exigir base educacional dos profissionais

A educação de base foi protagonista das conclusões de quem participou da apresentação da Análise Ceplan sobre o mercado de trabalho realizada na última segunda-feira (14). A conferência exclusiva para filiados do LIDE Pernambuco, foi comandada pelos economistas sócios da Ceplan, Jorge Jatobá e Tânia Bacelar, que destacaram a mudança na demanda por profissionais, principalmente na área digital, em detrimento ao comércio físico, por exemplo.

Tânia ressaltou que o comércio entrando cada vez mais no digital tem se tornado uma atividade mais logística. Diante disso, empresários da plateia fizeram algumas intervenções perguntando sobre a qualidade da mão de obra para o digital. Foi aí que entrou em cena a educação de base, com uma preocupação sobre como qualificar o profissional que não teve base.

Jatobá respondeu destacando a aceleração na transformação que já estava em curso e com isso, os gastos com viagens, por exemplo, que poderão ser substituídas por conferências virtuais, podem ser realocados para investimento de capacitação do quadro da empresa.

Já Tânia frisou que, no curto prazo, vai se dar melhor o profissional que tem base. “O Brasil vai pagar agora o preço por não ter apostado na educação de base, e aí agora eu espero que a médio prazo a gente aposte na base, como o Ceará está fazendo. Em 15 anos, eles estão mudando o perfil do profissional deles”, afirmou.

Os especialistas destacaram que a atividade comercial tem modificado de uma forma muito rápida, e que profissões como a de vendedor de loja perderão cada vez mais espaço. Logo, esses profissionais precisarão ocupar outras posições, de preferência no mundo digital. Nesse ponto, quem tem base educacional larga na frente.

Voltar para a página anterior